Englobamento de rendas




O englobamento obrigatório de rendimentos prediais vai avançar, contudo deixa de fora as famílias de rendimentos mais baixos e a classe média. O Governo já deu garantia de que os contribuintes com baixos rendimentos não serão afetados e que o englobamento se centrará, sobretudo, nos rendimentos especulativos. O englobamento obrigatório será pois dirigido para grandes fundos de investimento e para os rendimentos especulativos, uma vez que englobar no IRS rendimentos prediais e juros poderia ter o efeito contrário de favorecer os grandes fundos de investimento em detrimento da classe média, que acabaria estrangulada. Assim, ficam de fora do englobamento os juros com aplicações como os depósitos a prazo e as rendas de longa duração que até têm benefício fiscal para estimular a estabilidade no mercado de arrendamento.